Os anjos da guarda e um carioca chamado Vítor

Publicado em 15/2/12 às 12h49
Publicidade

Por um instante, enquanto falava com minha mãe hoje à tarde, tive certeza de que anjos da guarda existem e ficam de plantão. Aliás, nunca duvidei deles. Cheguei mesmo a atrapalhar uma festa de casamento na família porque vi um anjo me espiando na janela, quase sorrindo, com a ponta da asa dobrada na direção do cotovelo. Desmaiei ; afinal, não é todo o dia que a gente vê anjos. Comentávamos, eu e minha mãe, sobre o rapaz que, para defender um morador de rua, apanhou muito e teve os ossos da face quebrados. Certamente não morreu, porque centenas de anjos da guarda interferiram e mostraram-lhe a ponta da asa como se a dizer “Estamos aqui ,olhando por você.”

Alguns dos rapazes estão presos e um amigo deles, que é soldado da Aeronáutica no Rio,pôs-se a esbravejar nas redes sociais contra a prisão, prometendo se vingar e dizendo que cadeia não era pra eles. Fico pasma. Há bem poucos anos, a gente tinha vergonha de apoiar quem fazia malfeitos ou ultrapassava a linha entre o certo e o errado. Há bem pouco tempo, a Aeronáutica não admitia gente de baixa categoria moral… uma pena. Mas, como instituição honrada, foi logo abrindo uma sindicância. Tomara que o tal soldado seja expulso a bem do papel que aquela instituição teve, tem e terá.
Anjos da guarda existem quando uma bala passa raspando, um prédio desaba dois minutos depois de você ter saído, quando uma faca brilha, uma coisa ruim qualquer se anuncia. Anjos da guarda, muitos, auxiliam em cirurgias, velam o sono das crianças com febre; elas reconhecem que eles estão por ali, que fazem um barulhinho como um ruflar de asas, uma tremulação de ar, um jeito de brisa. Anjo da guarda é doido pra meter o bedelho em tudo, aparece no meio de uma discussão familiar e, dali a pouco, tudo termina em abraços e gargalhadas.
Sempre imaginei que eles trouxessem consigo um caderninho e, com letrinha redonda e bordada, anotassem os pontos do que fazemos de positivo, de bom e humano. O pão para quem tem fome, a água para quem tem sede, o cobertor para quem tem frio. Tenho quase certeza de que eles anotam ali as ações boas que cometemos.
Então, lá no Rio de Janeiro, certamente que um anjo que fala “mermo” em vez de “mesmo” ,anotou num caderninho que só os anjos da guarda têm, o nome de um rapaz: Vítor Suarez Cunha, 21 anos, estudante, que , em uma cirurgia de reconstrução do rosto, teve 63 pinos implantados pelos médicos; e sabe por quê? Por ter querido ajudar um morador de rua bêbado a não ser massacrado por uma corja de sem-anjos-da-guarda. Detalhe: o morador, que se chama João, estava tão alcoolizado que disse não se lembrar de nada no momento dos fatos.
Entrevistado, e mal podendo falar, Vítor declarou: Quero voltar a fazer as coisas de que gosto: ver televisão, sair, comer , estar com meus amigos. Simplicidades…
Os sem-anjos-da-guarda não terão escolha: vão comer, na cadeia, a comida que o diabo amassou com o rabo… aquela mesma que nós, pobres contribuintes, pagamos para eles. E certamente estarão entre iguais; mas nunca entre amigos .

• Esther Rosado é professora de Literatura e Redação e autora de material didático para cursinho e Ensino Médio. E-mail: estherosado@uol.com.br

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade