Corridas de Rua (Coluna do Consumidor)

Publicado em 5/1/12 às 11h20
Publicidade

A Corrida de São Silvestre é uma tradição de Ano Novo e bate recorde de participantes, a cada edição. O fenômeno de popularidade das corridas de rua espalha-se pelo mundo, aliás. A Maratona de Nova York, por exemplo, reúne 40 mil atletas, vindos de mais de 90 países e dispostos a correr mais de 42 quilômetros. E o mais incrível é que as vagas esgotam-se muitos meses antes do evento e milhares de outros corredores deixam de participar por falta de lugar.

O sucesso das corridas é simples de explicar: a atividade física é saudável e prática. Alguns cuidados prévios são indispensáveis: consultar um cardiologista, realizar os exames médicos e procurar um tênis adequado para o esporte, numa loja especializada.

O bom tênis de corrida não é o mais bonito para passear no shopping nem aquele mais caro da vitrine. Na verdade, existem diferentes calçados (neutro, amortecimento e estabilidade), que agem de acordo com o tipo de pisada do corredor. Nos estabelecimentos, existem funcionários treinados em vender tênis de corrida, bem como equipamento para o consumidor fazer o teste de pisada e poder comprar o produto certo para a sua necessidade.

Além das cautelas indispensáveis, há outros serviços gratuitos ou remunerados que podem ser úteis e contribuir para a informação do consumidor e a prática saudável da atividade física: revistas de corrida, portais eletrônicos especializados e, notadamente, assessorias esportivas, com treinamento orientado por educadores físicos (normalmente encontrados em parques, locais de corrida e academias de ginástica e musculação).

Porém, como em todo o ramo, existem os maus profissionais, que objetivam apenas ganhar dinheiro de forma predatória e pouco profissional. Portanto, o consumidor deve ficar atento, principalmente quanto às empresas que organizam provas de rua, porque lidar com a saúde de milhares de atletas é uma grande responsabilidade e todos deveriam ter consciência disso.

Na semana que vem, com a experiência de ter “consumido”, no Brasil e exterior, três maratonas, onze São Silvestres, dez meias-maratonas e mais de duzentas outras provas ao longo de dezesseis anos, a coluna mostrará os aspectos indispensáveis da organização de uma boa corrida de rua e trará dicas para o consumidor identificar as ruins e evitar se inscrever numa prova em que pode sair decepcionado, lesionado, desidratado ou sem atendimento médico.

• José Luiz Bednarski é Promotor de Justiça da Cidadania e Consumidor

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade