Negociação com comissão da Prefeitura frustra servidores de Jacareí; pressão deve continuar

Publicado em 2/5/16 às 4h01
Publicidade

Servidores municipais representados por sindicatos estiveram em reunião hoje (2/5) na sede da Prefeitura Municipal de Jacareí com uma comissão de representantes do prefeito para discutir a questão do reajuste salarial. Ao contrário do previsto, o prefeito Hamilton Mota (PT) não estava presente. Como já era previsto, porém, a reunião apenas confirmou que a prefeitura não deve abrir mão do reajuste de 5% para os servidores, que reivindicam ao menos 10,19%, acompanhando a inflação do último ano – o que respeitaria a Lei Orgânica do Município.

Além de secretários do prefeito (Governo, Finanças, RH), do presidente do SAAE, Dalton Ferracioli e líderes sindicais da cidade, estavam presentes todos os vereadores, que mediante o resultado da reunião – insatisfatório para os trabalhadores – mantiveram o compromisso de não votar o reajuste enquanto não houver, de fato, uma negociação em que se abram possibilidades de reajuste ou propostas favoráveis.

A presidente do STPMJ (Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais de Jacareí), Sônia Evarista da Silva, apontou que a ausência do prefeito na reunião foi uma falha. Ela enfatiza que a Lei Orgânica é clara sobre a exigência de o que o aumento mínimo acompanhe a inflação. “A prefeitura impõe novas taxas, aumenta impostos, gasta 2 milhões por ano com aluguel de casas enquanto há prédios públicos à disposição, faz publicidade. Se houvesse boa vontade política poderia priorizar o funcionário”, protesta.

Sônia relatou que esta insatisfação ficou clara para a comissão da prefeitura, que deve transmitir este sentimento ao prefeito Hamilton. “Esperamos que exista sensibilidade por parte do prefeito”, disse.

A presidente estima que o número de servidores presentes nas Sessões de Câmara deve aumentar para pressionar legisladores e prefeitura. Ponderou, ainda, que os sindicatos têm consciência da situação financeira do país, e que estamos passando por uma crise, por isso, caso haja uma nova proposta de reajuste acima dos 5%, ainda que não seja ideal será levada para assembleia de funcionários, que deverão deliberar sobre a proposta.

Comentários

  1. Adilson

    Tem uma lei que prevê, que simplesmente, nosso queridíssimo prefeito pode, por respeito a mesma referida não conceder aumento de salário ou alterar qualquer questão de ordem econômica por conta da proximidade das eleições. Ou trocando em miúdos, essa situação só favorece ao poder pario desta corja da própria administração, que protelando a resolução desse impasse ganha tempo para mais uma vez prejudicar a classe de trabalhadores subordinados a eles. Mais uma vez estamos” fudi…”!!!!!

    responder
  2. Edu Ardo

    Cada povo tem o governo que merece. Votaram nele, né? Elegeram vereadores que mais se preocupam com ele do que com vocês, né? Agora toma.

    responder

Deixe um comentário

Publicidade