Calçadas de Jacareí são um problema para a população

Publicado em 9/11/17 às 5h56
Publicidade

Na edição 1238, do dia 11 de agosto de 2017 do jornal Semanário, foi noticiado o caso da munícipe Izilda Pereira de Souza, de 62 anos, que sofreu um acidente no centro de Jacareí, em outubro de 2016. Ela caminhava pela calçada da Praça Conde Frontin, onde existem grades usadas para a proteção dos ralos de escoamento de água, quando ao pisar em umas das grades que estava solta, ocorreu o efeito “gangorra”, fazendo a outra extremidade se levantar, acertando sua perna. Na época, Izilda fez um boletim de ocorrência. A Secretaria da Segurança Pública, por meio da Equipe de Perícias Criminalísticas de Jacareí, realizou uma perícia no local e constatou que as grades encontravam-se presas com arames com sinais de oxidação e sobreposições nas juntas.

Izilda Pereira de Souza revelou que o acidente no ano passado deixou sequelas irreparáveis em sua perna. “A parte em que a grade acertou hoje está cicatrizado, mas o local afundou e ainda tenho uma mancha roxa. No local que eu tive a lesão, ainda sinto dor”. A primeira audiência do caso aconteceu no dia 25 de setembro, e a decisão do caso ainda corre na justiça.

Em Jacareí, muitos moradores reclamam da qualidade das calçadas da cidade. inúmeros moradores reclamam que algumas foram construídas tão estreitas que passa apenas uma pessoa por vez, outras faltam acessibilidade a cadeirantes, desnível entre uma calçada e outra, buracos e rachaduras. Nesta semana, a situação das calçadas de Jacareí foi tema da comissão que estuda a regulamentação de calçadas no município. Critérios de construção, conservação e acessibilidade foram discutidos durante uma reunião na semana passada.

A aposentada Maria Aparecida Alves, de 68 anos, comenta que a região central da cidade é um perigo. “A Rua Dom Pedro II é um perigo, a calçada é toda danificada. Eu que ainda enxergo bem já quase caí, imagina uma pessoa com mais idade e que não enxerga direito”, comenta.

Segundo uma moradora que não quis se identificar, a qualidade das calçadas é péssima para quem precisa de acessibilidade. “Nas calçadas da Rua Luiz Simon tem que passar um pedestre de cada vez. Outro dia um rapaz de muletas precisou passar pela rua porque a calçada era muito estreita e inclinada”, comento a moradora.

A situação não se restringe apenas ao centro da cidade. Muitos bairros também precisam de melhorias.“Meu pai caiu em uma calçada do Cecap porque a guia era muito alta. O que falta na maioria dos bairros é fiscalização. As pessoas constroem a calçada de qualquer jeito”, finalizou a moradora de Jacareí.

Em nota a Prefeitura de Jacareí informa que no momento está sendo feita uma discussão de como deverá ser disciplinada a manutenção adequada das calçadas, tanto na responsabilidade do poder público como dos proprietários dos imóveis.

A proposta é pensar no planejamento das calçadas no Centro e nos bairros. Essa comissão que vem estudando a regulamentação das calçadas, envolve as Secretarias Municipais de Mobilidade Urbana, Infraestrutura, Desenvolvimento Econômico, Segurança e Defesa do Cidadão, Meio Ambiente e ainda estendeu a participação de profissionais da área técnica do SAAE.

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade