Mais de 13 milhões de pessoas vivem com diabetes no Brasil

Publicado em 9/11/17 às 6h09
Publicidade

Na terça-feira, dia 14, é celebrado o Dia Mundial de Conscientização da Diabetes. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), existem mais de 13 milhões de brasileiros que vivem com a doença, isso representa 6,9% da população. Pressão alta e colesterol altos,estar acima do peso ou ter parentes com diabetes fazem parte do grupo de fatores para adquirir diabetes.

A diabetes é uma doença crônica em que há deficiência de produção ou ação da insulina. A insulina é o hormônio responsável pelo controle de glicose (açúcar) no sangue. O corpo precisa da insulina para a utilização da glicose obtida por meio dos alimentos como fonte de energia.Quando a pessoa tem diabetes, esse trabalho é afetado. Com o nível de glicose no sangue elevado (hiperglicemia) por longos períodos, pode haver danos mais graves em órgãos, vasos e nervos.

Segundo o médico endocrinologista Áureo Chaves, muitos brasileiros têm a doença e não sabem. “Uma boa parte da população convive com a diabetes e não sabe. Por esse motivo, é importante entender a doença, seus fatores de risco e tratamentos”, comenta.

O diabetes mellitus tipo 1 aparece geralmente na infância ou na adolescência, podendo ser diagnosticado em adultos. Esse tipo de diabetes é uma doença autoimune. Ocorre devido a produção equivocada de anticorpos contra as nossas próprias células, neste caso, contra as células beta do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina.

Pessoas com acúmulo de gordura predominantemente na região abdominal apresentam maior risco de desenvolver diabetes. “O diabetes tipo 2 vem muitas vezes acompanhado por outras condições, incluindo hipertensão arterial e colesterol alto. Esta constelação de condições clínicas (hiperglicemia, obesidade, hipertensão e colesterol alto) é referida como síndrome metabólica, sendo um grande fator de risco para doenças cardiovasculares”, explica o médico.

Assim que a pessoa é diagnosticada com diabetes, é importante controlar o nível de glicose no sangue do paciente para evitar complicações. Além dos medicamentos, que ajudam nesse controle, existem outra atitudes que podem ser tomadas para melhorar a qualidade de vida, como manter uma alimentação saudável, regular a quantidade de doces usando de preferência os dietéticos, gorduras mono e poli-insaturadas e carboidratos complexos integrais ingeridos ao longo do dia. Exercícios físicos regulares ajudam a baixar as taxas de glicose no sangue. Caminhadas e andar de bicicleta são boas opções.

Para quem tem diabetes e fuma, o médico aconselha a parar, pois este hábito acelera os problemas relacionados ao diabetes, como a diminuição do fluxo sanguíneo e o oxigênio das células. Em alguns casos já com a doença avançada, é necessário uso injeções de insulina para melhor controle da doença, mas tudo isso é recomendado por um especialista e cada caso será analisado individualmente. “Atualmente graças aos avanços no campo da ciência, conseguimos tratar cada caso de maneira eficiente, mas é claro que precisamos da ajuda do paciente. Mudar para um estilo de vida saudável é importantíssimo para que você possa conviver melhor com a doença e sem grandes riscos”, finaliza o especialista.

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade