Homem de 60 anos é diagnosticado com febre amarela em Jacareí

Publicado em 1/2/18 às 3h12
Publicidade

Na quarta-feira, dia 31, foi confirmado que o homem de 60 anos, internado na Santa Casa de Jacareí, contraiu febre amarela. A amostra do material sanguíneo foi analisada pelo Instituto Adolfo Lutz. A confirmação do exame foi comunicada pela Prefeitura de Jacareí e o paciente recebeu alta na segunda-feira, dia 29.

O homem pediu para ser liberado e de acordo com a prefeitura, assinou o termo de responsabilidade para que pudesse ter alta. A Santa Casa informou que o paciente passa bem. Ele estava internado no hospital desde o dia 15 de janeiro e teria contraído a doença em Igaratá, cidade na qual ele possui um sítio e passa a maior parte dos dias.

No sábado, dia 27, a Secretaria Municipal de Saúde, através da Vigilância Epidemiológica confirmou a morte de um macaco no bairro Parateí, zona rual. Entre os dias 13 e 22 de dezembro, a Vigilância Epidemiológica promoveu uma ação de ‘bloqueio’ nessa região, que incluiu nebulização num raio de pouco mais de 500 metros da área onde o macaco foi achado.

A Diretoria de Vigilância à Saúde também confirmou que um paciente de 34 anos, morador da divisa de Jacareí com a região sul de São José dos Campos, está internado na UPA do Campo dos Alemães, em São José, com suspeita de febre amarela. O caso também foi encaminhado para análise e o resultado do exame deve sair a qualquer momento.

Outra suspeita é de uma mulher que está internada na Santa Casa de Jacareí. As amostras de sangue foram recolhidas e encaminhadas ao Adolfo Lutz. A mulher reside em Igaratá.

A Secretaria Municipal de Saúde reforça que no momento que é notificada sobre a suspeita, além de enviar material sanguíneo para análise de sorologia, toma ações imediatas nas redondezas de onde o suspeito está internado e/ou onde o suspeito habita para eliminar ao máximo a presença de mosquitos. Entre as ações, acontece visita em todas as casas e comércio para eliminar possíveis criadouros dos mosquitos, como nebulização em bueiros, córregos ou locais propícios à presença de mosquitos.

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade