Pesquisas revelam que jovens não utilizam camisinhas

Publicado em 7/2/18 às 5h36
Publicidade

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, os jovens entre 15 e 24 anos são os que menos usam preservativos na hora do sexo. Cerca de 830 mil pessoas vivem com HIV/aids no país. Estima-se que 136 mil pessoas ainda não sabem que estão com HIV e que 196 mil sabem que tem o HIV e não estão em tratamento.
A epidemia avança na faixa etária de 20 a 24 anos, na qual a taxa de detecção subiu de 14,9 casos por 100 mil habitantes, em 2006, para 22,2 casos em 2016. Entre os jovens de 15 a 19 anos, o índice aumentou, passando de 3,0 em 2006 para 5,4 em 2016.

A Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense), realizada nas escolas de todo o país com adolescentes de 13 a 17 anos, reforça que 35,6% dos alunos não usaram preservativos em sua primeira relação sexual. O mesmo estudo aponta que, quanto mais jovem, menor é o uso da camisinha.

Diante das pesquisas, o Ministério da Saúde tem reforçado as campanhas para o uso de preservativos. Para o Carnaval de 2018, foi lançada a campanha “#VamosCombinar”, que dá continuidade aos trabalhos iniciados no dia 1 de dezembro, Dia Mundial de Luta Contra a Aids. A campanha visa fortalecer às diversas formas de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis junto ao público jovem.

Segundo o ministro da Saúde, Ricardo Barros, será enviado para todos os estados mais de 100 milhões de preservativos. “Esse quantitativo é relevante porque, como um dos motes da campanha é #vamoscombinar, queremos que os foliões não só da Bahia como de todo o Brasil, se conscientizem da importância do uso de preservativos” explicou o ministro.

As ações de prevenção são realizadas nos carnavais de rua durante a passagem dos blocos e das escolas de samba em Salvador, Recife, Olinda, Belo Horizonte, Brasília, Ouro Preto, Diamantina, João Pessoa, Rio de Janeiro e São Paulo. Também serão distribuídos preservativos e folders em estradas de pedágio em Minas Gerais e Goiás.
Atualmente, o SUS disponibiliza as pessoas vivendo com HIV o medicamento dolutegravir, considerado como o melhor tratamento contra o HIV/aids no mundo. Cerca de 300 mil pacientes portadores do vírus receberão o tratamento em 2018.

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade