Tuberculose ainda é um problema grave no país

Publicado em 29/3/18 às 3h45
Publicidade

Foram registrados mais de 69 mil casos de tuberculose no Brasil em 2017 e nem todo mundo que está doente faz o tratamento correto. Em 2016, a taxa de cura dos casos da doença era de 69%. No mesmo ano, a taxa de abandono foi de mais de 9%. Esses dados revelam uma dificuldade dos brasileiros em concluir o tratamento que é fornecido gratuitamente pelo SUS. Se o doente não fizer o tratamento até eliminar a bactéria, ele pode transmitir a doença.

No ano passado, o Ministério da Saúde instituiu o Plano Nacional pelo fim da Tuberculose que pretende reduzir até 2035, para dez os casos da doença a cada 100 mil habitantes. Para isso acontecer é preciso o comprometimento de toda população.

A coordenadora do Programa Nacional de Controle da Tuberculose, Denise Arakaki, ressalta que nos primeiros sintomas da doença, a tosse por mais de três semanas, o paciente deve procurar o médico.“Uma vez feito o diagnóstico, o tratamento tem que ser instituído o mais precocemente possível. Por quê? Porque, quando a gente trata, aquele individuo deixa de contaminar outras pessoas nas primeiras duas semanas. Então, para proteger os seus familiares, ou a sua rede de contatos, é recomendável que se inicie o tratamento o mais precocemente possível”, explica Denise.

“O tratamento padrão é de seis meses. Um dos grandes problemas que a gente enfrenta no controle da Tuberculose é a alta taxa de abandono de tratamento. Isso causa dois grandes problemas: um, para o indivíduo, uma vez que não tratada, a doença pode progredir e levar eventualmente a óbito. E também leva ao maior risco de seleção de bactérias resistentes”, afirma o subsecretário de Vigilância em Saúde do Rio de Janeiro, Alexandre Chieppe.

A tuberculose tem cura, desde que o tratamento seja realizado até o final. Se uma tosse persistir por mais de três semanas, consulte um médico. Para mais informações, acesse saude.gov.br.

Comentários

Deixe um comentário

Publicidade